Glossário

Glossário
  1. Dissacárido (um tipo de hidrato de carbono) constituído por uma molécula de glicose e outra de frutose.
  2. Uma palavra utilizada para se referir a glicemia ou concentração de glicose no sangue.

Aparelho gastrointestinal: boca, esófago, estômago, intestinos e reto.

Uma unidade que representa a energia fornecida pelos alimentos. Hidratos de carbono, proteínas, gorduras e álcool fornecem as calorias de uma dieta. Os hidratos de carbono e as proteínas têm 4 calorias por grama, as gorduras têm 9 calorias por grama e o álcool 7 calorias por grama.

Também designadas por corpos cetónicos, são substâncias químicas produzidas pelo organismo quando é utilizada a gordura em vez da glicose como fonte de energia. São produzidas em excesso no organismo quando há uma falta muito acentuada de insulina.

Gordura produzida pelo fígado e que se encontra no sangue; também se encontra em alguns alimentos. O colesterol é utilizado pelo organismo para produzir hormonas e construir as paredes celulares.

HDL é uma sigla em inglês que quer dizer "Lipoproteína de Alta Densidade". É um transportador de colesterol que existe no sangue e que "limpa" o colesterol onde este está em excesso (por exemplo, na parede das artérias) e que ajuda o organismo a eliminar esse excesso. É frequentemente designado por "colesterol bom".

LDL é uma sigla em inglês que quer dizer "Lipoproteína de Baixa Densidade". Transporta o colesterol para onde é necessário no organismo, para reparação celular. O colesterol LDL em excesso forma depósitos no interior das paredes das artérias. É frequentemente designado de "colesterol mau".

Consequências negativas da diabetes como lesões renais, doença cardíaca, enfarte, lesões nervosas e visão deficiente.

Um órgão de grandes dimensões que tem várias funções, incluindo a produção e armazenamento de glicose.

É a taxa de glicose (açúcar) no sangue. Varia em função da nossa alimentação e da nossa atividade.

Um pequeno dispositivo portátil utilizado por pessoas com diabetes para verificar os seus níveis de glicose sanguínea. Depois de picar a pele com uma lanceta, coloca-se uma gota de sangue sobre uma tira de teste na máquina. A maioria dos medidores (ou monitores) indicam o nível de glicose sanguínea sob a forma de um número no ecrã digital.

Uma das formas mais simples de açúcar.

  1. Um dos 3 principais nutrientes existentes nos alimentos. Os alimentos ricos em gorduras são a manteiga, margarina, molhos para saladas, óleos, frutos secos, carne de aves, peixe e alguns laticínios.
  2. O excesso de calorias é armazenado sob a forma de gordura orgânica, fornecendo ao organismo uma reserva de energia e outras funções.

Também designada por hemoglobina glicosilada, é um teste que mede o nível médio de glicemia de uma pessoa ao longo dos últimos 2 ou 3 meses.

Um dos 3 principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem hidratos de carbono são os amidos, vegetais, frutas, laticínios e açúcares. São transformados em glicose pelo organismo e podem afetar os níveis de glicemia.

Um estado de glicemia elevada. A hiperglicemia em jejum é a glicemia acima de um nível desejável, depois de a pessoa não ter comido (ter estado em jejum) durante pelo menos 8 horas. A hiperglicemia pós-prandial é a glicemia acima de um nível desejável, 1 a 2 horas depois de a pessoa ter comido.

Um estado que ocorre quando a glicemia é mais baixa do que o normal (menos de 70 mg/dL). Os sintomas incluem fome, nervosismo, tremores, transpiração, tonturas ou sensação de cabeça vazia, sonolência e confusão. Se não tratada, a hipoglicemia pode conduzir a inconsciência. A hipoglicemia trata-se consumindo um alimento rico em hidratos de carbono como um comprimido de glicose ou um sumo. Também pode ser tratada com uma injeção de glucagon se a pessoa estiver inconsciente ou incapaz de engolir.

Substância química específica fabricada pelo sistema endócrino ou por neurónios altamente especializados. É libertada e transportada diretamente pelo sangue ou por outros fluidos corporais. A sua função é exercer uma ação reguladora (indutora ou inibidora) em outros órgãos ou regiões do corpo.

Uma hormona produzida pelas células no aparelho gastrointestinal.

Uma medida utilizada para avaliar o peso do corpo em relação à altura da pessoa. O IMC é utilizado para determinar se a pessoa tem peso baixo, peso normal, peso excessivo ou se é obesa.

Uma categorização de alimentos que contêm hidratos de carbono, com base no efeito do alimento sobre a glicemia.

Uma hormona produzida pelo pâncreas que ajuda o organismo a utilizar a glicose como fonte de energia.

A quantidade de glicose, ou açúcar, numa dada quantidade de sangue.

Um órgão por trás da parte inferior do estômago que produz insulina e enzimas para a digestão.

  1. Um dos 3 principais nutrientes existentes nos alimentos. Os alimentos que fornecem proteínas incluem carne, carne de aves, peixe, queijo, leite, laticínios, ovos e feijões secos.
  2. As proteínas são utilizadas no organismo para a estrutura celular, hormonas como a insulina e têm também outras funções.

Os dois órgãos em forma de feijão localizados próximo do meio das costas que filtram os produtos residuais do sangue e constituem a urina.

A força exercida pelo sangue sobre as parede internas dos vasos sanguíneos. A tensão arterial é expressa sob a forma de proporção (exemplo: 120/80, lido como "120 sobre 80"). O primeiro número é a pressão sistólica ou a pressão quando o coração bombeia sangue para o interior das artérias. O segundo número é a pressão diastólica ou a pressão quando o coração descansa.

A forma de armazenamento de gordura no organismo.

DIAB-1101272-0000